31 março 2015

Resenha: O Visconde que me Amava - Julia Quinn

Edição: 1
Editora: Arqueiro
Autor: Julia Quinn
Serie: Os Bridgertons
Titulo Original: The Viscount Who loved me
ISBN: 9788580411973
Ano: 2013
Páginas: 304
Tradutor: Ana Resende

Sinopse:
A temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas. Ao que tudo indica, o solteiro mais cobiçado do ano será
Anthony Bridgerton, um visconde charmoso, elegante e muito rico que, contrariando as probabilidades, resolve dar um basta na rotina de libertino e arranjar uma noiva.
Logo ele decide que Edwina Sheffield, a debutante mais linda da estação, é a candidata ideal. Mas, para levá-la ao altar, primeiro terá que convencer Kate, a irmã mais velha da jovem, de que merece se casar com ela.
Não será uma tarefa fácil, porque Kate não acredita que ex-libertinos possam se transformar em bons maridos e não deixará Edwina cair nas garras dele.
Enquanto faz de tudo para afastá-lo da irmã, Kate descobre que o visconde devasso é também um homem honesto e gentil. Ao mesmo tempo, Anthony começa a sonhar com ela, apesar de achá-la a criatura mais intrometida e irritante que já pisou nos salões de Londres. Aos poucos, os dois percebem que essa centelha de desejo pode ser mais do que uma simples atração.



Para quem não conhece, Os Bridgertons é uma serie escrita pela autora Julia Quinn. Cada livro conta a trajetória de um dos oito irmãos. E são livros independentes apesar de interligados. Quem quiser ler a resenha publicada aqui no blog do primeiro livro, "O Duque e Eu", que conta a historia de Daphne é só clicar AQUI.

Resenha:

Seguinte, posso não ter lido nenhum livro da Jane Austen, mas apoio e assino em baixo quando o pessoal compara Julia Quinn com ela, afinal, espero que ela faça o mesmo sucesso. Porque, vamos combinar, Julia Quinn é a Autora, com A maiúsculo, nunca vi ninguém capaz de criar tantos personagens bons e tramas tão envolventes e apaixonantes.

Em “O Visconde que me Amava” o foco da trama é em Anthony, o primogênito dos Bridgertons. Ele que está beirando os trinta anos e continua como o solteiro mais cobiçado da temporada, mas também o libertino mais convicto que Londres já viu.

 Mas Anthony tem uma certeza em sua vida, a de que não pode superar seu pai, nem mesmo na quantidade de anos vividos. E já que seu pai faleceu aos 38 anos, ela não se vê passando desta idade, tem a convicção de que morrerá cedo. Sendo assim, ele decide que está é a temporada certa para encontrar uma noiva e possivelmente sossegar. Mas para isso, ele tem apenas uma única regra, não se apaixonar em hipótese alguma. A escolhida precisa ser alguém inteligente e bonita, mas que não desperte nenhum interesse nele além de afeição e amizade.
“Havia certos benefícios em ser considerado o libertino mais censurável da Inglaterra. Quase todos o temiam, por exemplo.
Isso era sempre uma coisa boa.
 Mas chegara a hora de se casar. Ele devia sossegar e ter um filho. Tinha um título a legar, afinal.”
E a escolhida por Anthony é Edwina Sheffield, a  mais cobiçada da estação, a que todos querem cortejar. Vinda de uma família sem fortuna e órfã de pai, Edwina é dona de uma beleza estonteante , uma doçura e leveza que faz inveja a maioria das meninas. E o fato de vir de uma família pobre e não possuir um dote, passa despercebido para a maioria dos cavalheiros que colocam os olhos sobre ela.
Mas, Edwina vem de uma família pequena e do interior, e é muito apegada a sua meia irmã mais velha, Kate Sheffield, e anuncia a sociedade que só vai se casar com o rapaz que for aprovado pela irmã. 
Sendo assim, Anthony precisa conquistas a irmã mais velha para conseguir se aproximas de seu alvo para futura esposa. O que se torna um desafio e tanto, levando em conta que Kate não é uma dama comum. Dona de uma língua afiada e uma inteligência invejável, ela afugenta todos os pretendentes da irmã que não julga digno de ser seu pretendente, e com o Visconde não vai ser diferente, considerando que toda Londres conhece sua reputação de libertino.

Kate Sheffield também precisa enfrentar a sociedade e as especulações, já que vindo de uma família de pouco dinheiro, não conseguiu participar de uma temporada de bailes na idade adequada, e agora com vinte e um anos, não é mais considerada pelos rapazes uma possibilidade de casamento. 

Quando Anthony e Kate se conhecem, uma guerra particular acontece. Kate está determinada a não deixar que ele se aproxime de sua jovem irmã, e Anthony está empenhado em não ser vencido por Kate, tornando isso um desafio para ambos.
"– As mulheres não deveriam ter bichinhos de estimação se não conseguem controlá-los.
– E os homens não deveriam levar as mulheres com bichinhos de estimação para uma volta no parque se não podem controlar nenhum deles – retrucou ela. Anthony sentiu as pontas das orelhas esquentando com a raiva mal controlada.
– A senhorita é uma ameaça à sociedade."
Para tudo!! Eu que era uma herege e não conhecia romance de época, sou agora uma devota assumidíssima da diva Julia Quinn. E sim, se você está pensando que romance sempre tem final previsível, o tão sonhado e esperado “felizes para sempre”, está totalmente certo. Mas, afinal, quem aqui não quer e não gosta de um final feliz?  E por mais clichê que possa parecer, eu gosto de ler para sair da realidade, então eu quero mais é que meus personagens tenham uma historia linda e se amem muito, e que no final, tudo de certo.

Como eu disse, este livro é um romance e a previsibilidade do final é um fato, mas o que transcorre entre o inicio e o “fatídico” felizes para sempre é o que torna a autora Julia Quinn e sua trama o diferencial. 

Os Bridgertons são uma família numerosa e unida, e autora soube construir personalidades diferenciadas e bem estruturadas para todos eles, sem excessões. Todos tem a sua bagagem emocional desenvolvida de forma que contribui para a trama. 
Anthony perdeu o pai muito cedo, e como o filho mais velho, foi obrigado a crescer rápido e cedo demais, assumindo o papel de irmão mais velho e ao mesmo tempo pai dos irmãos mais novos. Sem contar que desde então, é atormentado com a certeza de que morreria cedo, por não se achar capaz de super o pai, nem mesmo na idade. 
Já Kate, perdeu a mãe muito cedo e alguns anos depois, perdeu o pai também. Pouco se fala inicialmente sobre o passado dela, a não ser que vive com a madrasta, que é praticamente sua mãe, afinal é a única que ela se lembra de ter tido. Kate também possui fobia de tempestades, e isso é um drama que vai ser abordado e desenvolvido ao longo da trama. Como eu disse, são personagens complexos e bem desenvolvidos, em todos os quesitos.

Julia Quinn possui uma escrita simples, fácil e fluida, é impossível largar o livro. São mais 300 paginas, mas que passam rapidamente, quando o leitor se dá conta, já está nas ultimas e sofrendo, querendo desesperadamente mais. 
Eu costumo dizer que Os Bridgertons é um "Gossip Girl" de época, pois temos a fofoqueira anonima, que revela o segredo de tudo e todos, mas que ninguém tem ideia de quem pode ser. Cada capitulo é iniciado por uma dessas fofocas, dando um ar mais descontraído para a historia.

“O Visconde que me Amava”, apesar de seguir a mesma linha do livro anterior, é um pouco mais adulto e sensual. E mesmo seguindo os padrões da época, conta com descrições de cenas mais detalhadas e explicitas do casal de protagonistas. Talvez pelo fato de Anthony ser o mais velho e ter mais experiência, e também por Kate ser uma dama fora dos padrões e adiante em seu tempo.
 Bom, só sei que este livro conseguiu ser ainda mais apaixonante do que o primeiro volume, pois possui personagens mais completos,além de diálogos mais inteligentes e divertidos. É impossível não se apaixonar por Anthony e Kate e não se envolver nessa guerra entre essas duas personalidades fortes.
Enfim, nem preciso dizer que o livro foi para os meus favoritos, com certeza. Em todos os sentidos é um livro lindo, desde capa, diagramação, revisão e conteúdo. Não perca tempo, se joga. Vá logo conhecer a numerosa família Bridgertons.

Sobre a autora:

Julia Quinn começou a trabalhar em seu primeiro romance um mês depois de terminar a faculdade e nunca mais parou de escrever. Seus livros já atingiram a marca de 8 milhões de exemplares vendidos, sendo 3,5 milhões da serie Os Bridgertons.É formada pelas universidades Harvard e Radcliffe. Seus livros já entraram na lista de mais vendidos do The new york times e foram traduzidos para 26 idiomas.Foi a autora mais jovem a entrar para o Romance Writers of Americ's Hall of Fame, a Galeria da Fama dos Escritores Românticos dos Estados Unidos, e atualmente mora com a família no Noroeste Pacifico.

5 comentários:

  1. Oi! Os romances de época me encantam. E essa série tem toda a minha atenção, ainda não li nada dela e por isso estou louca a cada resenha que vejo sobre uma das histórias. Gostei da família nada convencional e parece ser divertida. As personagens tem sempre um pulso forte e uma decisão afiada que não era bem vista na época. Quero muito ler esse e admirar o romance que nascerá de implicâncias.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Geeh!
    Menina, sou uma herege como você um dia foi! Haha. Romances de época não são meu gênero favorito, mas depois de conferir a sua opinião tão apaixonada sobre o trabalho da Julia Quinn, nossa, creio que não posso ignorá-la (rs). Adorei cada linha da sua resenha. O enredo me atraiu, assim como os personagens. Eu gostei de saber que posso ler os livros sem seguir a ordem, porque estou muito inclinada a começar por esse (rs). *u*

    Anotei a dica! Vou procurar conhecer a autora o mais breve possível.

    Beijos!
    http://myqueenside.blogspot.com/2015/03/novidades-de-marco-farol-literario.html

    ResponderExcluir
  3. Olá, Ana.
    Romances não estão entre os meus gêneros favoritos, mas até que curto um romance de época. Eles tendem a ser mais interessantes e menos superficiais dos que se passam nos tempos atuais.
    Tenho curiosidade sobre a escrita da autora. E ser comparada com a Jane é um privilégio, porque ela é incrível.
    Pretendo ler a obra um dia.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de março. Você escolhe o livro que quer ganhar!

    ResponderExcluir
  4. Ahm tinha que finalizar o mes com uma resenha de um livro maravilhoso como esse, eu amo a serie Os Bridgertons já li todos os livros da serie e eu adorei a historia do Anthony e da kate a parte do jogo pall mall é uma das melhores partes, simplesmente nao posso dizer qual o meu livro favorito, todos sao excepcionais

    ResponderExcluir
  5. Oi Geeh...
    Ouço falar tanto dessa autora que é impossível não querer ler. Eu adoro romances de época, e esta é uma série que quero muito ler.
    Imagino o porque gostou tanto da obra. Espero ler em breve.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Adptação e personalização por QueenG Design

Tema Base por Butlariz