12 agosto 2015

Resenha: O Papai é Pop - Marcos Piangers


Edição: 1
Editora: Belas-Letras
ISBN: 9788581742465
Ano: 2015
Páginas: 112

Adicione no Skoob
Compre AQUI - R$ 20,30 (capa comum)
Compre AQUI - R$ 27,10 (capa dura)

Livro cedido em parceria com a editora
Sinopse: Então, você vai ser pai. Você sabe que precisa comprar uma casa maior. Tem que ter mais espaço pra criança. Tem que ter mais um quarto no apartamento. Tem que ter um berço novo, não pode ser aquele que a vizinha se dispôs a emprestar. Então você sabe que tem que trocar de carro, com seis airbags, no mínimo, ar-condicionado de fábrica. O que o humorista Marcos Piangers descobriu ao ser pai jovem é que essas preocupações não fazem diferença nenhuma. O que vale mesmo não é pagar pela melhor creche, se você é o último a buscar seus filhos. Não é comprar os melhores brinquedos, porque as crianças gostam mesmo é das brincadeiras que não custam nada. No fundo, o que importa mesmo, como os textos divertidos e emocionantes de Papai é Pop mostram, é você estar com seus filhos, não pensando em outra coisa, mas estar lá. De verdade.
Resenha:

"Todo pai é um colecionador de histórias. Cada história é um presente que nossos filhos nos dão. Guarde bem os seus presentes."
Aí, você começa a ler um livro pequeno, cheio de crônicas, escrito por um pai de duas meninas... Na verdade, você não espera muito do livro, apesar de já ter lido uma ou duas resenhas positivas.... Mas o livro te surpreende, e mesmo você não sendo pai ou mãe, acaba se encantando com as palavras do autor e concordando com ele em muitas partes. Foi o que aconteceu comigo!


Piangers não é um pai exemplar, ele mesmo fala isso no livro. Digamos que ele é mais um escravo de suas filhas. O que gostei mais nestes textos simples, foram as simplicidades em suas palavras e a veracidade contida nelas. Piangers fala sobre quando era criança e compara a sua infância com a infância de hoje, e como sou quase (quase mesmo u.u) da mesma idade dele, também fiquei comparando e lembrando do que realmente era bom demais e nós não sabíamos.


O autor foi feliz em suas crônicas: ri demais e também fiquei com os olhos marejados. O livro é lindo e em todas as páginas encontramos desenhos e frases.
Me lembrei muito do meu pai, que já não tenho mais, quando ele citou o pai de um amigo. Realmente, na nossa época, o pai era o mafioso da casa, todo mundo tinha medo dele! rsrsrsrsrrs


A capa é linda e condiz com o enredo apresentado. A editora caprichou demais na edição: as páginas são amarelas, as crônicas são curtas, mas cheias de significados; as letras são de tamanho confortável para leitura e fisicamente, o livro é perfeito!
Uma pena ser pequeno! Possui somente 112 páginas que devorei em menos de uma hora, a narrativa é gostosa, deixa o leitor ávido por mais.


Se você procura um livro gostoso de ler, rápido e cheio de significados, este livro é para você! Não recomendo somente para os pais - mães e filhos podem - e devem - ler também. Mau pai não era de falar muito sobre sentimentos, mas pode ter certeza que ele também me via com os mesmos olhos que o autor vê suas filhas! Super recomendado!


"Senti saudade dessa fase, de idade específica em que tudo é prestatividade e amor. Eu senti saudade de ter que comprar fraldas para Aurora. Senti saudade de ter escrito este texto. Senti saudade desta frase. Ela acabou de fazer dois anos. Ela não consegue falar direito, se limpar direito, não consegue andar direito e precisa de ajuda e precisa de ajuda pra fazer a maioria das coisas.
Mais ou menos como eu, daqui a cinquenta anos."





Avaliação:


Sobre o autor:


Marcos Piangers trabalha com comunicação jovem e plataformas digitais no maior grupo de mídia do sul do Brasil desde 2001. Nascido em Florianópolis, em 2006 se mudou para Porto Alegre, de onde participa do programa Pretinho Básico, um fenômeno de audiência e ganhador do prêmio Melhores 2014 do iTunes da Apple. Seus vídeos na internet têm mais de 30 milhões de views. Já deu aulas sobre humor e pensamento criativo. Mas nada o define mais do que dizer que é pai da Anita e da Aurora. Tem o plano de ter uma filha a cada sete anos, até ter a primeira neta. Suas filhas e esposa são contra este plano.


3 comentários:

  1. Olá, Ana.
    Apesar de não ser pai, o livro também me agradou demais. As crônicas são simples, mas tocantes. E deu até um pouquinho de vontade de ter um filho ou filha. O bom é que vontade dá e passa. haha
    Excelente obra e maravilhosa resenha.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de agosto. Serão dois vencedores.

    ResponderExcluir
  2. todos estao mesmo falando super bem desse livro, adoro curtinhos assim e c cronicas, acho que vou gostar desse.. esses tempos estou querendo livros sentimentais uashusaush
    tonsdeleitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Ana!
    O livro deve ser bem instrutivo para pais e bem engraçado, porque onde tem criança, tudo vira comédia e farra...
    E deve ser bem lúdica as crônicas, com desenhos, etc...
    “Quando vires um homem bom, tenta imitá-lo; quando vires um homem mau, examina-te a ti mesmo.”(Confúcio)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista!

    ResponderExcluir

Adptação e personalização por QueenG Design

Tema Base por Butlariz