22 setembro 2015

Resenha: Talvez Nunca mais um País - Flavio P. Oliveira


Edição: 1
Editora: Delirium
ISBN: 9788569423003
Ano: 2015
Páginas: 240

Adicione no Skoob
Compre AQUI - R$ 27,00

Livro cedido em parceria com a editora
Sinopse: Talvez nunca mais um país, partidos políticos, eleições etc. Dois vírus criaram uma nova idade histórica, o primeiro consumiu as reservas de petróleo, o segundo deixou à beira da extinção a humanidade — gigantescas ratazanas devoram os corpos largados nas ruas. No setor 7, na famosíssima Copacabana, Miguel — ex-ráquer, atualmente colecionador e catalogador de objetos artísticos, um apaixonado por rock ‘n’ roll — envelhece (aceitando a sorte de ser um doador universal) sem ter muito o que fazer, além de caminhar na praia em companhia das porcas da senhora Borrêia e conversar com os pivetes na carcaça. Tudo isso mudará um dia, por culpa da inveja alheia, por culpa de uma nova vontade de ser melhor, algo não permitido pelo autoritário governo.

Resenha:

"Quando dois vírus alteram o mundo...
Dois vírus criaram esta nova idade histórica, o primeiro consumiu as reservas de petróleo, o segundo deixou à beira da extinção a humanidade."
Talvez Nunca mais um País é um romance distópico que veio para quebrar paradigmas. O que você pensaria se estivesse a ponto de morrer? O mundo está acabado, as cidades foram divididas por setor e entre os poucos humanos que restaram, vivem autômatos que são encarregados de fazer o trabalho que antes eram feitos por homens. Máquinas que possuem inteligência e outras nem tanto... o que era belo agora ficou somente na lembrança, uma doença acabou com a humanidade que está quase em extinção. Tudo mudou, ou não....


Este é meu primeiro contato com a obra do autor Flavio Oliveira e devo dizer que fiquei sem palavras para descrever o que senti durante minha leitura. O protagonista, Miguel, é um homem vivido, que conta como foi sua vida enquanto lembra de um amor quase surreal. Mesclando passado e presente, Flavio nos coloca na mente do protagonista, durante boa parte do livro, não me senti lendo um livro, mas sim ouvindo um grande amigo contar-me suas desventuras. Um bom livro faz isso com o leitor, nos coloca na pele do personagem, no enredo e nos deixa ávidos por sabe mais e sentir mais.
"Mariana, a elegância de uma criação divina... Deus criou o mundo em seis dias, no sétimo ( criou a guitarra) descansou; a partir do oitavo gastou milênios projetando Mariana, a perfeição repleta de mínimos e graciosos defeitos."
Eu adoro distopias, é um dos meus gêneros preferidos e como não poderia ser diferente, Talvez Nunca mais um País entrou para minha lista de melhores leituras do ano. Não por ser um nacional e o enredo se passar no Brasil (precisamente no Rio de Janeiro), mas pela forma única que o autor conseguiu me conquistar: com sua narrativa em primeira pessoa quase poética, um personagem forte, porém solitário e diferente de tudo que já li.
Uma história forte, com um "Q" de realidade, mas também simples e romântica no ponto certo. Uma leitura fluída e cheia de significados.


A capa faz jus ao enredo apresentado, muito bonita e sem sentido aparente. A diagramação é simples, mas bem feita; possui letras em tamanho confortável para a leitura e páginas amarelas. Não encontrei nenhum erro de revisão. Por ser o primeiro livro publicado pela editora Delirium, parabenizo a simplicidade e a perfeição com que foi feito.
"Na segunda vez, sete homens em estado terminal ultrapassaram o limite externo e vieram morrer do lado de cá. Não desmaiaram, apenas morreram, como se tivesses aguardando o memento exato da morte para morar no paraíso."
Sem mais, super indico a leitura. Vale a pena se aventurar por essas páginas e deixar a realidade se tornar algo que, talvez, nunca mais seja tão verdadeira.




Avaliação:


Sobre o autor:


Flavio P. Oliveira (Flavio Pereira de Oliveira), nasceu em Nilópolis, Rio de Janeiro, em oito de dezembro. Apesar da formação em engenharia civil, trabalhou diretamente com arquitetura por muitos anos, fazendo projetos de diferentes tipos e sendo responsável por algumas obras. É ainda artista plástico, dedicado à pintura, com estilo próprio que mescla cubismo com pop arte e algo mais. Ainda, durante um período, trabalhou no desenvolvimento, gerenciamento e manutenção de algumas distribuições GNU/Linux, como GoblinX e ImagineOS.
Os primeiros livros foram escritos na adolescência, todavia começou a levar mais a sério a carreira com os romances ainda não publicados, mas registrados. “Duelo”, que conta a história de dois ex-competidores de esgrima, adversários, que se apaixonam pela mesma mulher. “Máscaras, seios e morte”, que conta a história de um detetive tentando resolver alguns crimes contra mulheres. Tornou-se editor registrado na agência do ISBN em 2012 e passou a publicar contos em formato digital...
Lançou em 2012 os primeiros livros impressos, o livro de contos picantes “Três Amores Instantâneos” e o romance de ficção científica “AEcM12“, em outubro.


9 comentários:

  1. Olá, Ana.
    Eu adoro livros nacionais e adoro distopias, então acredito que exista uma possibilidade enorme de adorar a leitura dessa obra. Além disso, o fato da narração ser tão poética e também próxima do leitor me deixa ainda mais animado. Com certeza vou conferir a obra.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de setembro. Serão dois vencedores.

    ResponderExcluir
  2. Oiii
    Amo distopias e com certeza vou estar conferindo esse.
    Comecei a ler mais livros nacional esse ano e não estou me arrependendo.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Ana!
    Adoro distopia e tenho lido umas muito boas de autores nacionais.
    Já anotei aqui, porque quero ler esse novo autor nacional e acompanhar sua distopia...
    “A alegria está na luta, na tentativa, no sofrimento envolvido e não na vitória propriamente dita.”(Mahatma Gandhi)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista, serão 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  4. Também sou apaixonada por distopias e por saber que este se tornou um dos melhores livros lidos por ti este ano, já adicionei em minha lista de desejados.
    Achei bem diferente essa narrativa, principalmente por a história se passar no RJ e possuir um personagem tão forte, como você mesma citou.
    Resenha maravilhosa, como sempre!
    Abçs Ana!!

    ResponderExcluir
  5. Distopia não é meu estilo favorito, mas as vezes gosto de ler um, só para mudar um pouco, gostei desse por se passar no Brasil e porque não entendi nada da história, só que teve dois vírus (boiei geral) o que acho legal em uma distopia, vc tem que quebrar a cabeça para entender um mundo diferente, vou dar uma chance a esse livro!

    ResponderExcluir
  6. Bom, apesar de eu gostar de livros de distopia, sinceramente não curti muito a história que esse livro pretende apresentar, não fiquei curiosa e acho que eu não ia gostar muito, quem sabe futuramente eu resolva ler, mas apesar disto, sua resenha está muito boa.

    ResponderExcluir
  7. Ana, quando vi Talvez Nunca Mais Um País pensei em um livro de autoajuda, uma biografia ou algo relacionado à História. Mas, me surpreendi com o termo romance distópico que me envolveu e atraiu para a leitura de toda a resenha. Fiquei bem interessado nos fatos ocorridos na trama e estou louco para ler.

    ResponderExcluir
  8. Oi!
    Também gosto muito de distopias e esse livro me interessou principalmente por ser um romance distópico que ainda não li nenhum e gostei de termos o rio como cenário o que me deixou curiosa !!

    ResponderExcluir
  9. Oi Ana ^^
    Nossa, eu amo distopia tb e pelo fator de você mencionar que sentiu como se a história fosse relato de um amigo já me chamou a atenção, gosto de livros que transmitam esse tipo de sensação, são os mais queridos e que chegam com tudo pegando um espaço no coração. >_<
    Confesso que a capa não me chamou a atenção, mas já a sinopse me deixa muito motivado a querer ler a obra ainda mais por ser de autoria nacional. (VIVA!!!!!!!!!!!!!)
    Ainda não tive a oportunidade de ler um livro de estreia de uma editora. Quem sabe será agora que consigo? :D
    Gosto de personagens solitários, mas que se forem muito razinza imagino sapecando uns sapatos nas cabeças deles. Espero que Miguel não seja desse time razin porque se não ficarei choroso. :(
    Parabéns pela resenha, guria. Gostei demais. E parabéns por incentivar a leitura nacional, acima de tudo.
    Bjs :*

    https://peregrinodanoite.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Adptação e personalização por QueenG Design

Tema Base por Butlariz