30 outubro 2015

Resenha: Sedução ao Amanhecer - Lisa Kleypas

Edição: 1
Editora: Arqueiro
Autor: Lisa Kleypas
Serie: Os Hathaways
Titulo original: Seduce me at Sunrise.
ISBN: 9788580411652
Ano: 2013
Páginas: 256
Tradutor: Débora Isidoro

Sinopse:
O cigano Kev Merripen é apaixonado pela bela e bem-educada Win Hathaway desde que a família dela o salvou da morte e o acolheu, quando era apenas um menino. Com o tempo, Kev se tornou um homem forte e atraente, mas ainda se recusa a assumir seus sentimentos por medo de que sua origem obscura e seus instintos selvagens prejudiquem a delicada Win. Ela tem a saúde fragilizada desde que contraiu escarlatina, num surto que varreu a cidade. Sua única chance de recuperação é ir à Franca, para um tratamento com o famoso e bem-sucedido Dr. Harrow. Enquanto Win está fora, Kev se dedica a coordenar os trabalhos de reconstrução da propriedade da família, em Hampshire, transformando-se num respeitável administrador, mas também num homem ainda mais contido e severo. Anos depois, Win retorna, restabelecida, mais bonita do que nunca... e acompanhada por seu médico, um cavalheiro sedutor que demonstra um óbvio interesse por ela e desperta o ciúme arrebatado de Kev. Será que Win conseguirá enxergar por baixo da couraça de Kev o homem que um dia conheceu e tanto admirou? E será que o teimoso cigano terá coragem de confrontar um perigoso segredo do passado para não perder a mulher da sua vida?
Resenha:

Com saudade dos meus romances de época pessoal? Espero que siiim, pq eu estava, e muito!
Então, resolvi dar continuidade a serie os Hathaways da diva Lisa Kleypas, dessa vez. Alguns meses atrás eu publiquei aqui para vocês a resenha de "Desejo a Meia- noite" (clique no nome para ir para a resenha), protagonizado por Amelia e Cam, que por sinal, se tornou um dos meus livros favoritos.
Dessa vez, em “Sedução ao Amanhecer”, vamos conhecer melhor Merripen, o cigano adotado pela família Hathaway e Win, uma das irmãs de Amelia.

Kev Merripen é um cigano, ele foi abandonado a beira da morte por sua tribo e encontrado pelos Hathaways. Desde então, viveu com a família e foi tratado como um membro dela, mas Marripen nunca se deixou fazer parte, sempre agiu como um criado, alguém de fora. O instinto do garoto sempre foi agressivo  e inconstante, ele sempre odiou viver sobre um teto, criar raízes e perder seu espírito andarilho, apesar de não ser obrigado a ficar na casa. A única pessoa que sempre conseguiu fazer com que Merripen se sentisse civilizado, calmo e até mesmo ter a sensação de pertencer a algum lugar , foi Win, desde o momento em que ele escutou o som de sua voz. E foi também por ela que ele permaneceu.
“- Se seu objetivo é me irritar – respondeu Kev - , não precisa se esforçar. Você me incomoda simplesmente respirando.
- Desculpe. Vou tentar me abster do habito, mas me apeguei demais a ele. – Rohan apontou uma cadeira.(...)”
Winnifred Hathaway é uma moça linda,agradável e graciosa, de modos perfeitos e postura impecável, acostumada a ir e vir, livre como um pássaro. Mas, tragicamente, após um surto de escarlatina na cidade, ela e o irmão mais velho, Leo, contraíram a doença a ficaram a beira da morte. Graças a Merripen e seu conhecimento de ervas medicinais, ambos foram salvos, mas a doença cobrou um preço alto de Win. A escarlatina atacou o sistema respiratório do garota, a tornando fraca a frágil para qualquer tipo de esforço até os mais simples, como subir e descer as escadas para o seu quarto. A nova realidade de Win depois da doença era o fato de que precisaria abandonar todos os seus sonhos, como o se casar, ter seus filhos e uma casa para cuidar.

Mas, então sua irmã mais velha, Amelia, acabou casando-se com Cam Rohan, um cigano que fez fortuna sem querer. Cam fez os negócios mais questionáveis possíveis, comprando empresas prestes a falir, investindo em inventos descabidos... mas tudo que toca se torna lucrativo, ele até mesmo acredita sofrer da "maldição da boa sorte". Mas o talento de Cam para os negócios vem a calhar quando ele assume a responsabilidade de cuidar da família Hathaway, que estão falidos. Isso proporciona a Win a possibilidade de fazer um tratamento especial  para sua condição.Só que para isso, ela precisa passar dois anos na França e por um oceano de distancia entre ela e Merripen, que apesar das investidas da garota, se recusa terminantemente a se aproximar dela de outra forma que não seja a de amigo, pelo fato de não confiar em si mesmo perto de alguém tão frágil. Win é uma mulher forte e decidida, e como não poderia ser diferente, ela parte em busca de sua saúde e quem sabe, também de uma oportunidade de, enfim, ter Merripen, o único homem que sempre desejou.

Anos se passam e Win esta de volta, completamente curada, uma mulher saudável e dona de si. Mas o problema é que Dr. Harrow, o homem que responsável pelo restabelecimento de Win, voltou junto com sua paciente, na promessa de conhece-la melhor e sua família, para então corteja-la. Mas, a passagem de tempo, que para Win foi de melhorias e realizações, para Merripen foi de ruína, ele se tornou uma pessoa amarga e ainda menos sociável. Como será para Win reencontrar Merriepen, ainda mais com um potencial pretendente ao seu lado?
"(...)E você mantinha uma xícara do xarope sobre o criado-mudo de Win, como uma espécie de último drinque macabro. Amelia confessou que acreditava que, se Win tivesse morrido, você teria tomado o resto daquela poção. E eu sempre odiei você por isso. Porque me obrigou a continuar vivo sem a mulher que amava, mas não tinha intenção de fazer o mesmo.
Merripen não respondeu, nem parecia ter ouvido as palavras de Leo.
– Céus! – disse Leo com voz rouca. – Se tinha coragem para morrer com ela, não acha que poderia encontrar coragem para viver com ela?"
Olha, eu tenho costume de avaliar cada volume de uma serie de forma independente, mas é impossível não fazer aquela comparaçãozinha básica né!  E assim, em comparação á “Desejo a Meia- Noite”  “Sedução ao Amanhecer” é bem mais fraco, por inúmeros motivos, mas o primeiro e o principal, é o fato que estamos lidando com personagens de personalidades totalmente diferente dos anteriores. Enquanto Amelia é intempestiva, quase uma força da natureza, Win é suave, passiva e apaixonada, de todas as formas. Já Cam é o sedutor selvagem e Merripen, totalmente o oposto, é do tipo que rosna e sai correndo quando alguém chega perto demais, literalmente. Então vocês podem imagina o choque do leitor com esse contraste, apesar de os personagens não serem desconhecidos para quem acompanhou a historia do livro anterior.

O amor entre Merripen e Win é aquele tipo de amor platônico, de infância, que se tornou algo mais sem que ambos os envolvidos permitisse, mas que aconteceu e se desenvolveu, ganhando proporções épicas. Ela desperta nele o melhor, e ele acredita não ter nada para oferecer a alguém como ela, uma menina refinada e de bons modos. Já ela, acredita que sua única chance de felicidade é aquele cigano arredio que conhece desde a infância. E é esse conflito de interesses que gera a trama que nos envolve durante a leitura.

Quando eu comecei a leitura, confesso que imaginei que Win se tornaria aquele tipo de mocinha sem sal que pouco agrega e chora em posição fetal pelo amado. Inicialmente ela é assim mesmo, mas aos poucos se revela uma guerreira, que vai em busca de sua saúde e depois disso, do homem que ama. Já Merripen, é o oposto, ele começa como alguém altruísta e decidido, mesmo que tome as decisões erradas, mas ele infelizmente perde essa essência durante, e é acometido pela síndrome de “Christian Grey”(ou Edward Cullen, o que você preferir. Mas como tem a questão do sexo, eu resolvi citar o Christian. Não to polemizando, ta?só para deixar claro! HAHAHA), sabe, do tipo “você precisa ficar longe de mim. Eu não sou homem para você. Eu deveria ficar longe de você,mas não tenho forças para isso” e afins, totalmente blá,blá,blá, clichê, clichê! PS: Ele melhora, nos últimos capítulos, mas melhora.
Mas, em todo caso, a autora desenvolveu a bagagem emocional para os personagens de forma fantástica, em ambos os casos, é fácil se emocionar com a luta pessoal de cada um deles.

Já de pontos totalmente positivos, temos muito de Cam e Amelia, até mesmo capítulos narrados por eles. Apesar de já não serem o casal protagonista, podemos continuar acompanhando a trajetória desse casal apaixonante e viciante.  E temos surpresas!! Leo, o irmão mais velho, também é bastante ativo e contribui muito para a trama, assim como a Srta Marks, uma personagens nova, que é a governanta da casa, uma mulher misteriosa, de gênio forte,língua afiada e que é imune ao charme dos homens, mas que vai dar muito trabalho para o sedutor Leo.
Sem contar, é claro, que a autora continua introduzindo elementos do povo cigano, suas lendas e crenças, dando aquela pitada de sobrenatural na trama. Também vamos ter revelações, grandes revelações, do tipo bombásticas e que, acredito eu, vai fazer bastante diferença nos próximos livros.

Enfim, a historia de Kev e Win pode não ser uma das mais originais, mas os elementos que compõem todo o livro fazem da trama algo inusitado e viciante. Sem contar, é claro, que a escrita da autora é fabulosa, simples e fluida.

O livro físico também é lindo, a capa é maravilhosa(apesar da modelo ser morena e Win loira) a diagramação é simples, mas de boa qualidade,  com apenas alguns erros de digitação (foi escrito o nome do personagem errado alguns vezes em um capitulo), paginas amareladas e uma fonte ótima para leitura.
"Ele falou que sempre diz a si mesmo que sou melhor do que nada. - Que velho tolo. - opinou Win, pousando a mão na nuca de Kev - Ele está completamente enganado - acrescentou um pouco antes de os lábios se encontrarem. - Porque, meu amor, você é melhor que tudo."
Sobre o autor:


Depois de se formar na Universidade de Wellesley em Ciências Políticas, Lisa Kleypas publicou seu primeiro romance aos vinte e um anos de idade. Em 1985, ela foi nomeada Miss Massachusetts e competiu o Miss America, em Atlantic City. Lisa está casada e tem dois filhos.
Em sua página na web, a autora conta: "Comecei a escrever romances porque sempre amei lê-los. Indiscutivelmente, fui uma nerd durante toda a escola primária e, mesmo "florescendo" na secundária, acredite, a nerd interior ainda estava aqui. Nunca pude imaginar um tempo melhor aproveitado do que lendo um livro, e este amor pela leitura, com o tempo, se traduziu num profundo desejo de escrever um."

3 comentários:

  1. Olá, Geeh.
    Eu iria comentar da estrutura meio clichê, mas você falou sobre isso na resenha. rs Ao menos, bom saber que o protagonista melhora um pouco no decorrer do livro.
    Quanto a Winnifred, bom saber que ela não é uma menina sem sal, isso me anima um pouquinho mais para ler a obra.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de outubro. Serão seis livros para três vencedores.

    ResponderExcluir
  2. Geeh, A escrita da autora Lisa Kleypas não me convence o bastante, mas estou extremamente interessado em sua série, Os Hathaways. Além de possuir capas bem bonitas, as histórias nos apresentam um mundo com várias garotas, uma para cada livro, e os romances vividos por elas, respectivamente não são de todo um clichê, mas bastante inovadores quando se trata de Lisa Kleypas. Quero conhecer um pouco mais sobre Sedução ao Amanhecer.

    ResponderExcluir
  3. Olá!!
    Me sinto um Et por nunca ter lido Lisa Kleypas , mas que fique claro que não é falta de vontade porque isso eu tenho de sobra, e a cada resenha que livros dela minha vontade de conhecer a escrita dela aumenta, quero muito conhecer os livros e a família Os Hathaways com suas historias de amor marcantes e emocionantes.
    Bjocas

    ResponderExcluir

Adptação e personalização por QueenG Design

Tema Base por Butlariz