13 janeiro 2016

Resenha: O Último dos Canalhas - Loretta Chase

Edição: 1
Editora: Arqueiro
Autor: Loretta Chase
Serie: Os Canalhas
Titulo original: The Last Hellion
ISBN: 9788580414752
Ano: 2015
Páginas: 304
Tradutor: Alves Calado

Sinopse:
O devasso Vere Mallory, duque de Ainswood, está pronto para sua próxima conquista e já escolheu o alvo: a jornalista Lydia Grenville. Só que desta vez, além de seduzir uma bela mulher, ele deseja também se vingar dela.
Ao se envolver numa discussão numa taverna, Vere foi nocauteado por Lydia e se tornou alvo de chacota de toda a sociedade. Agora ele quer dar o troco manchando a reputação da moça.
Mas Lydia não está interessada em romance, principalmente com um homem pervertido feito Mallory. Em seus artigos, ela ataca nobres insensatos como ele, a quem considera a principal causa dos problemas sociais.
Nesse duelo de vontades, Vere e Lydia se esforçam para provocar a derrota mais humilhante ao mesmo tempo que lutam contra a atração que o adversário lhe desperta. E, nessa divertida batalha de sedução e malícia, resta saber quem será o primeiro a ceder à tentação.

Resenha:
"Por que as mulheres devem ser demonizadas por algo que os homens fazem impunemente?"

E não é que Canalhas é uma serie? Pois então, eu que já fiquei satisfeita só com o Lord Dain, imagina agora, sabendo que ele vem acompanhado de seus amigos! Estou dando pulos de alegria, é claro!

Assim gente, Canalhas é mesmo uma serie, mas assim como os livros da Julia Quinn(Os Bridgertons) eles não tem uma ligação muito forte entre eles, então não é obrigatório ler todos ou em sequencia, apesar de que vai ficar bem mais interessante se acompanhado corretamente, afinal os personagens do anterior são secundários no atual e assim por diante.
Por isso, se preparem para mais uma dose de humor negro no nosso Príncipe dos Canalhas, o Lord Belzebu e sua dama Jéssica. Quem quiser conferir a resenha de O Príncipe dos Canalhas já publicada aqui no blog, é só clicar AQUI.

Mas, dessa vez vamos conhecer afundo Vere Mallory,o Duque de Ainswood e Lydia Grenville, uma famosa jornalista e feminista convicta da época.
Até então, ambos não sabiam da existencia do outro, a não ser, é claro, pelos tabloides de noticias que relatam detalhadamente a vida libertina do ultimo Canalha Mallory e os feitos da temida  e destemida Lady Grendel.
Mas eis que um belo dia essas duas figuras impares batem de frente. Lydia está determinada a fazer justiça com as próprias mãos e capturar a maior cafetina e aliciadora de menores que Londres já viu, quando Ainswood, de ressada,  cruza o seu caminho.

Lydia é uma mulher elegante e de proporções um tanto quanto fora dos padrões. Com mais de um 1,75m de altura, com seu cabelo loiro platinado e os olhos de um azul glacial, chama atenção por onde ela passa, sem contar é claro, na sua personalidade forte e a língua afiada.
“- Eu estava falando de trabalho da Srta. Grenville. Os artigos e ensaios dela não tremendamente populares com as mulheres.
- Deus nos livre das metidas a intelectuais. Sabe qual é o problema delas, Jaynes? Como não trepam com regularidade, algumas mulheres assumem as fantasias mais estranhas, como a de imaginas que conseguem pensar. – O duque limpou a boca com a mão.”
Já Vere Mallory, é , e com orgulho, o ultimo dos canalhas de sua família. Ele descende de diversas gerações de homens conhecidos como os piores libertinos. Mas com o tempo as novas gerações se tornaram homens fieis e de comportamento exemplar. Mas isso não se aplica ao novo Conde de Ainswood, que acredita fielmente que mulheres são seres inferiores e que o maior investimento é em bebidas e prostitutas.
Quando esses dois personagens se encontram o resultado é um embate de tirar o folego e muitas risadas. Lydia tenta induzir Vere a ajuda-la, mas este apenas debocha da jornalista, o que resulta no famoso Conde de Ainswood estirado na sarjeta depois de um soco de Lady Grendel. É a partir deste fatídico encontro que Vere se vê hipnotizado pela feroz mulher, e uma disputa entre eles faz com que um tente atrapalhar os planos do outro. E como Lydia faz tudo por uma boa matéria para o seu jornal, Vere vai ter bastante oportunidade de atormentar a vida da garota, e ela de ridiculariza-lo, é claro.
“(...) a maior machona do seculo tinha se empinado toda no seu caminho. Então, quando Sua Majestade  do Enxofre acabou com ele, seus supostos amigos precisavam debater quem ela era, de onde viera e a técnica que havia usado nele.Como se na verdade a considerassem-uma mulher! – adversaria dele. Numa luta de punhos!(...)”
Meu primeiro pensamento ao começar a ler este livro e gargalhar como uma louca no meio da sala de espera do consultório medico onde meu pai estava sendo atendido, é que os cineastras estão perdendo dinheiro adaptando apenas romances, dramas e distopias. Poxa, enquanto eu lia, imaginava exatamente a cena na minha cabeça. HAHAHA.

E eu que achei que Loretta Chase tinha chegado ao seu ápice com Jessica e Lord Belzebu. Ledo engano, Vere e Lydia conseguem ser ainda mais engraçados e envolventes.
O Ainswood é até um pouco esteriotipado, o velho e bom libertino, lindo de morrer e detentor de um título impressionante. Mas, enfaze no mas, ele não fica só nisso. A autora não deixou que “O ultimo dos Canalhas “ se tornasse apenas mais um livro clichê para passar o tempo e dar umas risadas, ela trabalhou com maestria a bagagem emocional dos personagens, dando para ambos um passado bastante sombrio e impactante. No caso de Vere, ele acredita que o título de sétimo Conde de Ainswood está amaldiçoado, já que cada um dos homens de sua família que o recebeu acabou morrendo, primeiramente seu irmão e pouco tempo depois, seu sobrinho.  A impotência perante a morte deixa Vere devastado, e o título é o eterno lembrete dos entes queridos que perdeu e a forma como conseguiu o Condado. Sendo assim, ele prefere se afogar na bebida e no prazer que consegue com mulher anonimas .

Já a Lydia... gente, essa personagem me envolveu completamente, me peguei torcendo, rindo e chorando junto com ela.  A personalidade dela me lembrou muito a minha amada Rose Hathaway ( Vampire Academy), aquela gênio forte e o fato de não se deixar intimidar por ninguém, mas principalmente por não fugir de uma boa briga.
Para ser completamente honesta com vocês, eu não saberia escolher entre este e o primeiro volume. Dei tanta risada com Jessica e Dain que não posso negar o meu amor por eles, mas Vere e Lydia penetraram no meu coração de uma forma irrevogável.  No caso de O príncipe dos Canalhas, Jessica é mais suave e, apesar de tudo, uma dama da sociedade bem nascida. Já em O Ultimo dos Canalhas, ambos tem esse humor acido e negro, sem contar que a língua afiada de Lydia me proporcionou tanta risada que eu quase perdi o ar em diversos momentos (Sabe aquele tipo de risada que você perde o controle e imita um porco? Pois é! )

A escrita de Loretta Chase é um primor,  completamente impecável. A autora nos brinda, em ambos os livros, com personagens bem construídos, envolventes e  com personalidades marcantes. Sem falar, é claro, sobre os diálogos bem estruturados, inteligentes, coesos e divertidos.

A narrativa do livro é feita em terceira pessoa, proporcionando uma visão detalhada de ambos os personagens, até mesmo de alguns secundários, que foram muito bem explorados e contribuíram ativamente para o desenvolvimento da trama.
Já capa e diagramação, eu achei linda e muito bem feita, assim como o volume anterior (e todos os livros da editora Arqueiro), eu realmente imaginei o Vere como o modelo da capa, as descrições batem perfeitamente.  A diagramação é bem simples, mas de qualidade, sem erros de revisão aparente, folhas amareladas e fonte bastante agradável para leitura.
Enfim, se vocês querem uma dica de leitura do gênero romance de época, sem sombra de duvida eu indico qualquer um dos canalhas, Vere ou Sebastian , se delicie com qualquer um deles. De preferencia COM AMBOS!! <3
“- Se é que posso falar claramente, senhor – em geral, era o que Jaynes fazia - , o senho é exasperante.
- Eu sei.
- Se ela assassina-lo durante o sono, ninguém ficara nem um pouco surpreso, e todos os juris da Grã- Bretanha a inocentariam de imediato. Ela provavelmente receberia as maiores honras do reino.”

Sobre o autor:

Loretta Lynda Chekani nasceu em 1949 numa família albanesa. Assim que aprendeu a escrever, passou a por no papel historias que inventava. Formou-se em inglês pela Clark University, onde trabalhou meio período como professora, ao mesmo tempo em que escrevia roteiros. Foi quando conheceu um produtor que a inspirou a publicar suas historias. Os dois acabaram se casando. Com o sobrenome do marido, Loretta Chase vem publicando romances históricos  desde 1987, pelos quais ganhou vários prêmios, inclusive o RITA, da Associação  Americana de Escritores de Romances, por O Príncipe dos Canalhas.

5 comentários:

  1. Olá, Geeh.

    Nossa, já tinha visto resenhas do primeiro volume, mas não me interessei, até agora! Você fala com um entusiasmo que até chega a contagiar, não sou fã de romances, entretanto, depois da sua resenha sinto que preiso urgentemente ler esse livro.

    Parabéns pela ótima resenha,

    abraços.
    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Adoro livros onde protagonistas não prestam. O fato dele ser o último canalha me agrada demais. Além disso, o fato da escrita ser um "primor", como você classificou, me chama a atenção, visto que alguns livros desse estilo são mal escritores demais.
    Ótima dica. Vou conferir.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do top comentarista de janeiro. Serão dois vencedores!

    ResponderExcluir
  3. Oi Geeh! A pouco tempo descobri essa minha paixão por romances de época. Começou com O Duque e Eu, e desde então vicie. Ainda não li O Príncipe dos Canalhas mas gostei de saber que é uma série. Espero poder lê o quanto antes. Bom saber que os personagens são bem construídos e com personalidades marcantes. Adoro esse jeito cão e gato, mas que no final ficam tudo mansinhos, hehehe. Mas o que mais me agrada é a personalidade das mocinhas serem donas de si.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Geeh!
    REcebi hoje O primeiro livro e devo começar a ler em breve, bem curiosa.
    E se dá para dar boas risadas, é comigo mesmo, além do romance conturbado, é claro!
    Nada como um bom embate e uma protagonista forte que não se deixa abater.
    “Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.” (Cora Coralina)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participe do TOP COMENTARISTA de Janeiro, são 4 livros e 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  5. Sempre vejo falar bem sobre a escrita da autora, mas por causa do genero ele realmente não me chamou atenção e nem pretendo ler, prefiro livros com mais aventura. Tambem não gostei da capa.

    ResponderExcluir

Adptação e personalização por QueenG Design

Tema Base por Butlariz