5


Resenha: Dez Formas De Fazer Um Coração Se Derreter - Sarah MacLean

Edição: 1
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580415292
Autor: Sarah MacLean
Serie: Os Números do amor - Livro 2
Titulo original: Ten Ways to Be Adored When Landing a Lord
Ano: 2016
Páginas: 352
Tradutor: Fabiana Colasanti
Adicione ao "skoob"

Sinopse:
Isabel Townsend não é exatamente o que se espera da filha de um conde. Apesar de ter a pele delicada e de saber se portar como uma dama quando necessário, a jovem também monta a cavalo, conserta telhados, administra a propriedade e cria o irmão caçula desde que a mãe faleceu – tudo isso sem despertar a menor suspeita de que não há um homem sequer para cuidar de sua família.
Para o pai dela, que só queria se divertir e gastar dinheiro em jogatinas, pouco importava o que ela fizesse. Porém, quando ele morre, Isabel se vê sem recursos e precisa defender os direitos do irmão, ameaçados pela chegada iminente de um tutor. Assim, não lhe resta saída senão vender sua coleção de estátuas de mármore, o único bem que herdou.
Para sorte sua, um especialista em antiguidades acaba de chegar ao condado. Inteligente e sensual, lorde Nicholas St. John é um solteiro convicto que deixou Londres para se livrar das jovens que passaram a persegui-lo desde que foi eleito um dos melhores partidos da cidade.
Em poucos dias, fica claro para Nick que Isabel é a mulher mais obstinada e misteriosa – além da mais interessante – que já cruzou seu caminho. Ao mesmo tempo, ao conhecê-lo melhor, a independente Isabel percebe que há homens em que vale a pena confiar. Enquanto eles põem de lado suas antigas convicções, seus corações se abrem para dar uma chance ao amor.
"Dez Formas De Fazer Um Coração Se Derreter" é o segundo volume da serie "Os Números do Amor", precedido por "Nove Regras a Ignorar antes de se Apaixonar". Para ler a resenha do livro anterior, é só clicar no título.

Resenha:

Em “Dez Formas De Fazer Um Coração Se Derreter” vamos conhecer Isabel, uma menina que dada as circunstancia de seu nascimento, deveria ser o exemplo de uma boa dama Londrina, já que o fato de ser filha de um Conde  deveria garantir a ela um passe livre aos grandes salões de baile. Mas o problema é que o pai destruiu a reputação do título, se tornando conhecido como  O Conde Perdulario, por conta de sua libertinagem e seus vícios, vícios esses que levaram a família a miséria e o próprio Conde a morte precoce.

As atitudes do pai por si só fizeram Isabela desacreditar dos homens e do amor, de todas as formas, afinal, mesmo após a morte do pai, diversos homens bateram em sua porta reivindicando o direito de casar-se com ela, pois a tinham ganhado em mesas de jogos onde o pai tinha apostado a própria filha. O fato de sua mãe ter morrido de tristeza e desgosto quando o Conde os abandonou, só serviu para piorar esse sentimento.

Isabel sempre foi uma moça independente, e com a morte dos pais, se tornou ainda mais, já que precisava cuidar de uma casa e de um irmão de dez anos, recém nomeado conde.
Mas ela esconde um grande segredo também. Em sua casa não existe homens, além do pequeno conde,  todo os moradores são mulheres que se fazem passar por homens quando vez ou outra recebem alguma visita inesperada. Só este fato já colocaria a reputação do condado e a de Isabel em perigo, mas todas as mulheres tem uma historia, um passado que também escondem, algumas são casadas e abandonaram os maridos por serem maltratadas e outros infinitos casos de violência. Isabel as acolhe e em troca de um teto sobre suas cabeças elas ajudam nas tarefas da casa e da propriedade. Com o tempo o lugar criou fama, e todas as mulheres que se encontram em apuros acabam recorrendo a Isabel e a Casa de Minerva, como foi batizada pelas próprias moradoras.
Mas essa estabilidade precária em que vivem as mulheres começa a ficar abalada, já que o Conde Perdulario não deixou nada alem de dividas apos sua morte.
É então que Isabel resolve se desfazer do único bem de valor que possui: uma coleção de estatuas deixada para ela por sua mãe.

Já Nicholas St. John é o irmão gêmeo do marquês de Ralston, o protagonista do volume anterior da serie. Nick é um homem com um passado dramático. Como foi revelado no livro anterior, os irmãos foram abandonados pela mãe e o pai veio a falecer logo em seguida. Mas o que ficamos sabendo aqui é que após tudo isso ele se envolveu em diversos outros problemas e situações complicadas enquanto viajava pelo mundo, ficando conhecido como “Bulan”, o caçador.  Nick também fica conhecido por seu talento como antiquário.
"Havia anos que ninguém o chamava de bulan - caçador. O termo não significava nada agora, era só um resquício de seus dias no Oriente, no Império Otomano, quando ele fora outra pessoa - alguém sem nome - com apenas uma habilidade que no final seria sua ruína"
Mas agora, depois de voltar para Londres, ele é novamente apenas Nicholas, o irmão do Marques. Bem, isso é a realidade em que ele vive, mas então uma revista de fofoca resolve lista-lo como um dos melhores partidos e dar dicas de como as solteiras a caça de um marido aristocrata podem conquista-lo, e Nick se torna o alvo de todas e qualquer mulher no mercado casamenteiro.

Cansado de toda essa atenção e todas as matronas correndo atrás dele, o rapaz resolve ajudar o duque de Leighton a encontrar sua irmã que fugiu de casa, utilizando o seu antigo talento como caçador.
E é assim que Nicholas St.John chega a  Yorkshire onde acidentalmente esbarra em Isabel, que o reconhece como o renomado antiquário e resolve pedir sua ajuda para avaliar a coleção de estatuas que esta determinada a vender.
Mas para avaliar a coleção Nick precisa ir até a casa de Isabel, e é lá que nada é o que parece, literalmente.
  “– Lorde Nicholas St. John, o antiquário?Foi a vez de Nick ficar surpreso. A pergunta tinha sido inesperada. Ele havia se preparado para ‘Nicholas St. John, irmão do marquês de Ralston?’ ou ‘O lorde disponível, Nicholas St. John?’ ou até ‘O melhor partido de Londres, Nicholas St. John?’. Mas ser identificado como um especialista em antiguidades era uma abordagem completamente diferente da que ele esperaria da maioria das mulheres.”
Assim como o volume anterior da serie, “Dez Formas De Fazer Um Coração Se Derreter” pode ser lido de forma independente, sem seguir a ordem de publicação, afinal eles são minimamente interligados. Mas a narrativa segue a linha do anterior,  narrado em terceira pessoa, com detalhes sobre a construção do relacionamento entre Nicholas e Isabel. A autora também nos apresenta uma gama de personagens secundários, todos extremamente bem construídos e de vital importância para o desenvolvimento da trama.
Já os próprios protagonistas, estes são figuras que nos trazem um misto de sentimento, principalmente Isabel,  que é um personagem forte e irreverente, mas tão teimosa quando uma mula. O senso de dever e aquele altruísmo exagerado torna a personagem cansativa e irritante, chegando ao ponto de o leitor desejar poder esbofeteá-la.
Nick por outro lado, é o clássico mocinho de romance de época, o libertino regenerado com um passado sombrio. Mas em contra partida, a lealdade dele para com Isabel e a causa dela é maravilhosa.
“Ele não ia deixá-la. Não até ter certeza de que todas as garotas estavam a salvo de qualquer que fosse o mal que enfrentassem."
Enfim, eu gostei bem mais do livro anterior, Callie foi uma protagonista mais forte e determinada do que Isabel. Mas acredito que o grande diferencial entre um volume e outro é a forma como a autora conduziu a narrativa. Enquanto com Callie nós nos víamos envolvidos em diversas situações cômicas, com Isabel a autora usa um tom mais dramático para a narrativa. Mas, deixo claro, ambas muito bem construídas e elaboradas. Sarah MacLean possui uma escrita impecável , fácil e simples e seus livros possuem os elementos clássicos de um romance de época, incluindo o esperado felizes para sempre, mas antes disso vamos ter muito romance, intrigas, drama e bom humor mesclados.

Uma única coisa que me deixou um pouco incomodada foi a inclusão de uma  revista de fofoca, com os trechos das tais “matérias” iniciando os capítulos. Foi tão Lady Whistledown, a fofoqueira de plantão da serie os Bridgertons escrita pela Julia Quinn que me incomodou um pouco. Fora isso, foi uma leitura bastante agradável, apesar de Isabel ter me irritado infinitamente.

Já o livro físico segue o padrão dos anteriores, com uma diagramação simples, paginas amareladas e fonte agradável.
“Ali, enquanto ela se perdia na sensação da dança, no movimento de seus corpos e no calor dos braços dele, Isabel se permitiu ter o sonho que havia sufocado tanto tempo antes. O sonho que permitia que aquela sua primeira valsa fosse com um homem que cuidaria dela, que a protegeria e lidaria com suas preocupações, e, sim... que a amaria.”
Sobre o autor:

Sarah MacLean passou grande parte de sua infância entre os livros da biblioteca de sua cidade, onde desenvolveu a paixão por história e um compromisso para com o gênero romance.
O seu amor por todos os fatos históricos a ajudaram na sua formação em História e Antropologia Cultural no Smith College, e Educação na Universidade de Harvard, antes de se mudar para Nova Iorque, onde finalmente escreveu o seu primeiro livro. Desde então, os romances de MacLean tem sido best-sellers no The New York Times e USA Today, traduzidos em mais de uma dúzia de idiomas, e indicados para vários prêmios.
MacLean estourou com o livro Nine Rules To Break When Romancing A Rake, seu primeiro best-seller aclamado pela crítica, e sua primeira série de três livros. No início de 2012, lançou sua nova série pré-vitoriana, Rules of Scoundrels, com o livro A Rogue by Any Other Name, que recebeu em 2013 o Prêmio RITA (Romance Writers of America). O terceiro livro da série, No Good Duke Goes Unpunished, ganhou o RITA Award em 2014.
Quando não está escrevendo um romance, Sarah viaja pelo país para discutir sua posição nos estudos culturais e do gênero. A autora é colunista no jornal americano The Washington Post, e suas colunas têm aparecido no The New York Times, Book Reviews e Parents Magazine. Ela também é defensora das questões relativas à educação e alfabetização. Sarah vive em Nova Iorque com o marido, a filha, o cachorro e uma coleção gigantesca de romances.

5 comentários:

  1. Geeh!
    Apesar de todo sofrimento vivido por Isabel, ela consegue ajudar outras mulheres que também tem história sofrida e no final, ainda encontra Nicholas e é capaz de voltar a acreditar no amor.
    “A dúvida é o princípio da sabedoria.” (Aristóteles)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de JANEIRO dos nacionais, livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Geeh.
    O fato da narrativa ser bem escrita e ter um tom mais dramático me agrada. Ademais, a premissa foge um pouco do comum, já que a Isabel socorre outras mulheres.
    Fiquei curioso para conferir a obra.

    Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de janeiro. Serão dois vencedores, dividindo 4 livros.

    ResponderExcluir
  3. Gostei da Izabel que embora te irritou, espero não me irritar com ela rs, pois é uma mulher de fibra cuidar das outras mulheres e do irmão em uma época como aquela tem que ter muita coragem, deve ser divertida também a historia com a mulherada tendo que se vestir de homem quando necessário.

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia essa série ainda, mas me interessei bastante por ela.
    Fico imaginando como deve ter sido difícil fingir que havia homens onde na realidade so havia mulheres e o que me deixou mais encantada na resenha foi saber que ela ajudava outras mulheres, apesar de tudo o que passou ainda tinha compaixão para com o próximo (mesmo que elas estivessem lá e a ajudassem a esconder que só havia mulheres). Gostei demais da história e não vejo a hora de ler.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Geeh !!
    Ainda não li nenhum livro dessa trilogia Números do Amor. Quero muito ler esses livros!! Espero conseguir!!
    Beijoss

    ResponderExcluir

Arquivo

© Livros de Elite - 2014. Todos os direitos reservados.
Criado por: Andréa Bistafa.
http://i.imgur.com/wVdPkwY.png