9


Resenha: Desejo Concedido - Megan Maxwell

Edição: 1
Editora: Essência
ISBN: 9788542207934
Autor: Megan Maxwell
Serie: Guerreiras - Livro 1
Titulo original: Deseo Concedido
Ano: 2016
Páginas: 464
Tradutor: Sandra Martha Dolinsky

Sinopse:
Na Inglaterra do século XIV, após a morte dos pais, a jovem lady Megan Phillips, de vinte anos, segue uma vida tranquila, focada na educação e na criação de seus dois irmãos mais novos. Para fugir de um casamento arranjado por sua tia, Megan e a irmã, Shelma, vão para o castelo de Dunstaffnage, na Escócia, onde vive seu avô Angus de Atholl, do clã McDougall. Anos depois, durante o casamento de um de seus primos, Megan – uma mulher aguerrida, pronta a empunhar uma espada pra defender sua família e que não se dobra por nada e nem por ninguém –, conhece o temido guerreiro de olhos verdes Duncan McRae – um homem acostumado a liderar exércitos, mas que nunca esteve preparado para enfrentar o gênio forte de uma mulher. O destino trama contra (ou a favor de) Megan, que, contra a sua vontade, acaba se casando com Duncan. Conseguirão os dois se entender e seguir a vida como um casal feliz? Ou viverão às turras, como se estivessem num campo de batalha?
Resenha:
“ - Voarei como o vento, sem deixar sinal. E, quando o dia começar, tornarei a voar!”
Não sei bem como lidar, Megan Maxwell vem roubando meu coração um pouquinho mais a cada leitura, cada livro novo, cada trama impecável e envolvente. Olha, ela esta entrando no meu top cinco, com toda certeza. Mas, “Deseja Concedido” foi aquele livro que veio para confirmar todo esse amor, para não restar duvidas de que a Sra. Maxwell é diva suprema do meu mundinho!

“Desejo Concedido” se passa no século XIV e nos leva para a vida de Megan e Shelma Phillips, duas garotas que, literalmente, não pertencem a nenhum lugar.

Megan é a mais velha entre os três irmãos e quando ficaram órfãos, passando a viver sob a tutela dos tios por parte de pai, assumiu a responsabilidade de criar os irmãos, principalmente o mais novo, que era apenas um bebe quando tudo aconteceu.
Mas a vida com os tios não é fácil, afinal, a mãe deles eram de origem  Escocesa e foi uma mancha no nome da família, já que o pai foi contra as convenções e se casou-se com alguém que não era considerada “civilizada” para os padrões pré estabelecidos da sociedade Inglesa.

Com isso os três irmãos Phillips cresceram sem pertencer a lugar nenhum, sendo considerados mestiços de ambos os lados. Na Inglaterra são os “selvagens” , por não ter o refinamento e o traquejo social necessário para os salões de baile. Já na Escócia, alvos do ódio e da fúria por conta da descendência com os Ingleses, que tanto massacrou a Escócia e derramou o sangue dos Highlanders na guerra.

Sem a proteção dos pais as meninas se veem sozinhas nas mãos dos tios, que por castigo, resolvem casa-las com dois inglês, mas homens cruéis , e criar o Zac, que é apenas um bebe, como um inglês. Diante desta perspectiva, Megan e Shelma não veem outra saída a não ser fugir. E assim, com a ajuda de um velho amigo dos pais elas partem para a Escócia para encontrar o avô materno, que pertence ao Clã McDougall, o único parente  que nutre algum afeto pelos irmãos e que talvez vá ajuda-los.

Anos se passam e os três estabelecem uma vida confortável com Angus, em uma vila pacata protegida pelos McDougall, apesar de ainda serem consideradas os “sassenachs” por todos.
Mas então chegam ao lugar os temidos Guerreiros. Entre eles Duncan, o chefe do clã McRae, conhecido como “Falcão”, tanto pela cor de seus olhos quanto por ser implacável no campo de batalha.
A atração de Duncan por Megan é imediata. Mas, enquanto ele esta acostumado a ser obedecido e temido, ela toma as rédeas da própria vida sem dar satisfação para ninguém.
“-Sabe de uma coisa, impaciente? -disse Duncan, olhando para ela com paixão enquanto voltavam ao acampamento. -Não sei porque gosto tanto de você.
- Eu sei - riu ela. E, fazendo-o sorrir, disse: - Porque eu lhe dou vida.”
Na verdade, eu estou com medo de escrever essa resenha. A probabilidade estatística de eu me exceder e ter alguns ataques de fangirl ao longo do texto é bem grande, pois gente, eu estou  com o sorriso nos lábios só de lembrar da trama para escrever para vocês!!

Megan é aquele personagem forte e determinado, que não abaixa a cabeça para ninguém e luta como uma leoa para defender os seus. Exatamente como Duncan. Mas, ao contrario dela, ele esta acostumado a ser ouvido e obedecido sem o menor esforço e ela precisa lutar pelo que deseja.
Então, quando essas duas personalidades se chocam, é briga de cachorro grande, cada qual querendo provar quem manda.Mas, o mais amável de tudo é que ambos tem um coração bom. E, apesar dos pesares, a tensão sexual e o desejo  entre eles é quase palpável.

Ao primeiro olhar, a trama pode parecer extremamente clichê. O homem forte e dominador, querendo dobrar a vontade da mocinha sofrida. Mas, não se engane Megan é aquele tipo de personagem que não se encaixa nos padrões da época, que destoa e se destaca, tanto por sua personalidade quanto por sua coragem. Já Duncan, é aquele tipo de aparência. Um homem de coração bom e afetuoso que foi magoado no passado e criou aquela armadura para esconder um coração sofrido e partido. Ambos não são o que aparentam ser, e a crueza de sentimos que os envolve é quase inebriante para o leitor quando tudo é revelado. Ao mesmo tempo,as brigas do casal nos levam a crer que um final feliz para a desafortunada relação é quase impossível apesar da torcida fervorosa.

Megan Maxwell criou uma trama completa, não somente com personagens extremamente bem construídos e desenvolvidos, mas também com personagens secundários, que, acredito eu, serem os ganchos para os próximos livros, afinal, Guerreiras é uma serie de quatro livros.

Em todo casa, algo que me incomodou bastante foi alguns aspectos da personalidade de Duncan. O machismo apresentado em alguns diálogos, o desmerecimentos pelo simples fato de ser mulher... Afim, atitudes de cunho machista ao extremo. Mas, precisamos nos lembrar que a trama se passa em meados de 1300. Por mais que nos doa, se for levado em consideração qual era o tratamento recebido pelas mulheres na época, Duncan é o mais próximo do que pode ser classificado como “um amorzinho”. O machismo é uma ferida aberta até hoje, e eu sei o quanto isso incomoda, principalmente quando tratado de forma fugaz. Mas é uma questão histórica e faz parte do mundo retratado pela autora e não deve desmerecer a obra, de forma alguma.

Está é uma leitura que flui fácil. Na verdade, no inicio o leitor que não está habituado aos costumes do povo e da época, leva algum tempo para se habituar, mas assim que o faz, a leitura se torna leve e prazerosa.  As quase 500 paginas passam em um piscar de olhos.A escrita de Megan Maxwell é viciante, assim como a personalidade de sua chara, Megan Phillips.

Como eu já falei, o livro possui quase 500 paginas e a trama é dividida em 45 capítulos, sem alteração cronológica e narrados em terceira pessoa acompanhando a trajetória de Megan e seus irmãos.

Enfim, “Desejo Concedido” é um livro nos envolve do inicio ao fim, com uma trama sedutora e envolvente, que mescla humor e erotismo somado a diálogos inteligentíssimos  que resultam em uma leitura viciante de tirar o fôlego.
“ -Desejo que nunca queira me deixar sozinha.- Desejo concedido - sussurrou ele, estreitando-a em seus braços fortes”
Sobre o autor:


Megan Maxwell - María del Carmen Rodríguez del Álamo Lázaro -, nascida na Alemanha e radicada na Espanha, de mãe espanhola e pai americano, é uma famosa escritora de romances eróticos e femininos que vem conquistando diversos prêmios, como o Prêmio Internacional de Seseña (2010, 2011 e 2012) e o Prêmio Dama de Clubromantica.com (2011), desde de seu primeiro lançamento "Te lo Dije" em 2009.
Com mais de 20 títulos lançados, sendo 10 já publicados aqui no Brasil, seus relatos picantes ganharam fãs em todo o mundo inclusive por aqui onde a sua trilogia Peça-me o que quiser se tornou um best-seller.
Megan atualmente vive em um vilarejo perto de Madri na companhia do marido, filhos, seu cão Drako, e seus gatos Romeu e Julieta.

9 comentários:

  1. Estou bem animada em relação a esse livro.
    Já está na minha listinha de desejados. AMO esse gênero literário.
    Estou bem curiosa em relação a escrita da autora, pois não li nenhum livro dela ainda.
    Mas só vejo comentários positivos de suas história e isso está cada vez mais me deixando curiosa.
    Desejo Concedido parece ter um enredo bom, com personagens muito bem desenvolvidos.
    Sua resenha me deixou ainda mais interessada.
    Espero poder ler essa e as outras obras da autora em breve.
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bem?
    Ainda não conheço a escrita da autora, mas sempre encontro resenhas e comentários muito positivos sobre suas obras, então, no mínimo, tenho curiosidade.
    A premissa desse livro é bem envolvente e por tudo que você comentou, fiquei mais motivada para conhecer os personagens e a história.
    Obrigada. Linda resenha.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Olá, como um fã de tramas medievais já fiquei interessado em ler ainda mais depois desses grandes elogios sobre e obra. Beijos.

    ResponderExcluir
  4. eu estou super curiosa para conferir esse livro, eu adoro essas histórias com doses de luta e romances
    uma das coisas que achei interessante na resenha foi o comentário que você fez sobre o machismo, uma das coisas que me afasta de alguns romances "históricos" é que ele não representa a época.
    e pelo jeito, a maxwell tentou ser fiel a época, com hábito e comportamentos típicos.
    com isso ele entrou na minha lista
    espero poder ler o livro em breve

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Mariana! Atualmente os romances de época/histórico são tão romantizados para agradar ao publico feminino que esquecem os verdadeiros costumes e tabus da época, por mais desagradáveis que sejam, como é o caso do machismo. Mas não te preocupas, Megan Maxwell é bastante fiel a época.

      Excluir
  5. Geeh!
    Romance histórico que se passa na Escócia, terra dos Highlanders tão amados por mim, me deixa cheia de comichões para ler logo.
    Ainda mais porque posso conhecer um pouco mais sobre a cultura da época, de um século onde os homens pareciam mais 'trogloditas', deve ser estimulante.
    FELIZ DIA DAS MÃES!
    “Sê humilde para evitar o orgulho, mas voa alto para alcançar a sabedoria.” (Santo Agostinho)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  6. Oi.
    Eu adorei saber que apesar da premissa parecer Clichê inicialmente ela realmente não é faz tempo que eu quero ler este livro eu sou apaixonada por romances de épocas saber que a mocinha foge um pouco dos padrões daquela época Já me deixou bastante intrigada Adorei saber que o mocinho também foge um pouco dos padrões eu não gosto quando tem livros extremamente machistas temos muito em romances de época mas levando em consideração a época em que o livro está sendo narrado é até compreensível enfim ansiosa para ler com toda certeza.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Fiquei bem curiosa para ler com tantos elogios e ainda não conheço a escrita da autora que pelo visto é maravilhosa. Essa briga dos personagens deve ser bem engraçada, ainda bem que mesmo nessa época a personagem é forte e não abaixa a cabeça.

    ResponderExcluir
  8. Oi, Geeh!!
    O que posso dizer sou fã de carteirinha de romances de época e todos livros que vejo dessa época quero muito ler!! Ainda não li nenhum livro da Megan Maxwell mais sem dúvida quero muito!
    Bjoss

    ResponderExcluir

Arquivo

© Livros de Elite - 2014. Todos os direitos reservados.
Criado por: Andréa Bistafa.
http://i.imgur.com/wVdPkwY.png