09 julho 2017

Resenha: Ninguém Nasce Herói - Eric Novello


Edição: 1
Editora: Seguinte
ISBN: 9788555340420
Ano: 2017
Páginas: 384

Compre AQUI 

Livro cedido em parceria com a editora
Sinopse: Num futuro em que o Brasil é liderado por um fundamentalista religioso, o Escolhido, o simples ato de distribuir livros na rua é visto como rebeldia. Esse foi o jeito que Chuvisco encontrou para resistir e tentar mudar a sua realidade, um pouquinho que seja: ele e os amigos entregam exemplares proibidos pelo governo a quem passa pela praça Roosevelt, no centro de São Paulo, sempre atentos para o caso de algum policial aparecer. Outro perigo que precisam enfrentar enquanto tentam viver sua juventude são as milícias urbanas, como a Guarda Branca: seus integrantes perseguem diversas minorias, incentivados pelo governo. É esse grupo que Chuvisco encontra espancando um garoto nos arredores da rua Augusta. A situação obriga o jovem a agir como um verdadeiro super-herói para tentar ajudá-lo — e esse é só o começo. Aos poucos, Chuvisco percebe que terá de fazer mais do que apenas distribuir livros se quiser mudar seu futuro e o do país.


Já não deveria, mas me surpreendo mais uma vez com um livro nacional. Ninguém nasce Herói é um livro muito bem escrito e dolorosamente quase real.
Imaginem que o Brasil sofreu um golpe (mais um!!!) e, a partir de hoje, nosso presidente é um fundamentalista religioso denominado O Escolhido.
"É esse o ponto ao qual chegamos, o de comemorar não sermos mortos pela polícia, distribuir livros sem acabar presos, não ter ninguém pulando em nosso pescoço e nos condenando a danação eterna por pensar diferente."
Não é preciso dizer mais que isso, pois temos representantes políticos que pregam exatamente o que O Escolhido faz com o Brasil nesse futuro escrito pelo autor Eric Novello.
Ser gay é pecado cabível de morte. Distribuir livros é rebeldia, ser diferente não é permitido. Ninguém pode discordar do que é religioso. Ninguém pode se opor ao Escolhido.

Partindo dessa premissa angustiante, vamos conhecer Chuvisco e seus amigos: Pedro, Amanda, Cael e Gabi. Chuvisco é um rapaz diferente por si só, sua imaginação é fértil e ele luta para não ter surtos que misturam realidade com fantasia, o que ele chama de catarse criativa.
Chuvisco e seus amigos fazem pouco, mas fazem algo para tentar abrir os olhos das pessoas. Somente distribuir livros não é mais suficiente para a turma e eles descobrirão que enfrentar o Escolhido pode trazer a desejada liberdade de volta a suas vidas, mas a que custo?
"É uma bolha, nosso mundo perfeito. Pessoas diferentes e iguais ao mesmo tempo. Que falam de filmes, músicas, relacionamentos e a falta deles, de sonhos loucos, política, viagens e profissões. Que discordam e não se matam por isso. Um talento que a muitos parece perdido."
Quando ouvi o autor, Eric Novello no encontro de blogueiros da editora, meus olhos brilharam por essa história. Fiquei bem curiosa para conhecer esses personagens e o enredo. Assim que recebi a prova antecipada, comecei minha leitura, mas não vou falar que foi uma leitura fácil, pois não foi.
As fantasias geradas pela catarse criativa de Chuvisco se misturou por diversas vezes e tive que voltar algumas partes para me situar. A narrativa em primeira pessoa deixou tudo mais complexo. Chuvisco que nos conta essa história pelo seu ponto de vista, o que foi muito bom em alguns capítulos, já em outros, me deixou bem maluca! rsrsrsrsrs

A catarse criativa de Chuvisco se mistura com a realidade e nos deixa curiosos para conhecer mais sobre ele e como ele consegue controlar essas fantasias. Também nos faz rir com suas "viagens" momentâneas.
Os amigos de Chuvisco são seus alicerces e não poderia ser diferente: cada um a sua maneira, torna o enredo único e conquista o leitor do início ao fim da leitura.
Depois que conhecemos os princípios fundamentais que o enredo foi construído, a leitura avança numa facilidade inacreditável. A trama começa a se encaixar e os personagens vão dando mais a cara a tapa, sem contar que a Guarda Branca, uma milícia urbana incentivada pelo governo que ataca/mata minorias, está atrás do grupo e do que ele representa. O leitor vai sentindo o coração acelerar e se põe no lugar dos personagens: Lutar ou morrer?
"Se não se apegar aos carinhos dos amigos, à certeza de que pequenos gestos fazem a diferença, à esperança de que não tem ninguém te seguindo, um dia a tinta vai descascar e revelar a sede de sangue dos homens que te caçam numa rua deserta não para roubar sua carteira, mas para te matar. Que te caçam porque você ousou não ser invisível."
Confesso que mesmo com a catarse criativa de Chuvisco me deixando doidinha, gostei demais de conhecer essa história. Eric Novello nos conta que a ideia para o livro surgiu a partir dos momentos intensos que estávamos vivendo nesses últimos anos, um clima de ódio que tem se instaurado no país e no mundo.
Eric conseguiu conciliar a nossa realidade com a sua fantasia, deixando-nos a tentar diferenciar o que é real e o que é ficção. Sua narrativa é gostosa e descritiva no ponto certo. Os diálogos são inteligentes e cheios de pormenores que não nos passam despercebidos. O apelo para a verdadeira amizade, para o amor de todas as formas está ali, é só deixarmos senti-los.
O palco para a história de Chuvisco é São Paulo e me senti lá, com eles, pois alguns dos lugares citados, eu já visitei!

Do mais, só posso indicar! Vou receber a versão finalizada da editora, mas já adianto que o livro vai estar incrível! Mostro para vocês meu exemplar na Caixinha do Correio de Agosto ta?
A Editora Seguinte sempre arrasa nas edições e nas capas. Essa capa, por exemplo, está maravilhosa! Condizente com o enredo em todos os sentidos - Vocês só vão entender as borboletas, tartarugas e o super-herói quando lerem!
"A verdade é que ninguém nasce herói.
Mas isso não nos impede de salvar o mundo de vez em quando."


Avaliação: 


Sobre o autor: 







Eric Novello adora escrever sobre os bares, boates e inferninhos que permanecem vivos em sua memória. Em sua fase solar, cuida de um gato imaginário e da coleção de vinis de blues que ainda não começou. É roteirista, aficionado por cinema, principalmente o noir. Adoraria ter o que fazer nas horas vagas, mas antes precisa descobrir como consegui-las.







8 comentários:

  1. Oi Ana!
    Adoro indicações de livros nacionais. Eles estão com tudo!
    Olhei rápido e achei a capa parecida com Belas Maldições.
    Gostei da premissa do livro que tem uma visão pretérita-presente-furuta e com a realidade como base.
    O autor foi inteligente em usar esse acontecimentos para criar a história. Gostei da inserção de "Guarda-Branca" que mata minorias, e até sei como ele inseriu esse contexto.
    Gostei do Chuvisco, ele parece ser bem doidinho mesmo rsrs
    Obrigada pela indicação!
    Abc

    ResponderExcluir
  2. E possível perceber que o autor construiu uma estória incrível, e que nos cativa pela sua escrita tão bem elaborada, que nos cativa a querer nos envolver nesta trama. Imagino que esta edição esteja linda, pela capa e possível perceber que esta chamativa, e que nos convida a leitura. O ultimo quote me deixou bastante curiosa para saber mais sobre esta estória.

    Participe do TOP COMENTARISTA de Julho, para participar e concorrer aos livros "O Casal que mora ao lado" e "Paris para um e outros contos".
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oii Ana!
    Mais uma vez, não sabia do que se tratava a história e me surpreendi. Vejo que preciso incluir mais nacionais nas minha leituras pois há muitas histórias com potencial. Adorei a crítica social construída no livro e que mesmo misturada com a ficção, não deixa de ser um pouco da realidade. A ideia do autor foi muiiito boa e traz a mensagem que por mais simples que seja a atitude de cada um, precisamos mudar essa situação. Não sei como essa história acaba, mas espero que com um final arrebatador. Achei o nome do Chuvisco muito engraçado e fofo, assim como o personagem, embora pelo visto é bem difícil de entender a cabeça dele devido a catarse criativa. Não sei qual foi o objetivo do autor com isso, mas talvez tenha atrapalhado um pouco para fluir a leitura. Bom, espero ter a oportunidade de me aventurar nessa obra o mais breve possível!
    Ótimas leituras pra você!
    Beijos :)

    ResponderExcluir
  4. Ana!
    Muito bom ver que o autor criou uma nova realidade para nosso país, que diga-se de passagem, não gostei nadinha, e a analogia com as crises que vivemos, torna o livro até crível, embora seja uma fantasia bem alucinatória, não é não?
    Sempre bom conhecer um novo escritor nacional e que escreve com qualidade.
    Uma maravilhosa semana!
    “Todo homem, por natureza, quer saber.” (Aristóteles)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. É muito bom se deparar com livros nacionais. Eu não conhecia este livro, e geralmente não gosto de ler livros com histórias relacionadas a política, mas as vezes é interessante ler algo relacionado ao assunto, é bem chocante e angustiante pensar em um política dessa maneira, em que ninguém pode se opor ao Escolhido, simplesmente fiquei bem curiosa para ler este livro e gostei da sua resenha, se tiver a oportunidade, lerei Ninguém Nasce Herói.

    ResponderExcluir
  7. Parece ser muito bom, embora acho que ficaria um pouco confusa com a catarse de Chuvisco sem saber o que é imaginação ou não. Mas achei legal a atitude dos garotos de querer fazer algo mesmo que achem pequeno ja faz a diferença é um grande exemplo.

    ResponderExcluir
  8. gente que contextod de gistoria incrivel ne, me cativou muito nao conheciaa obra nem o autor mais ele esta de paraben s super me cativou quero ler ainda este ano. E bem dificil eu ler livros naciosais e esse e incrivell amei
    beijos obgda pela dica
    capa maravilhosa tbm

    ResponderExcluir

Adptação e personalização por QueenG Design

Tema Base por Butlariz